07/01/2024 às 20h47min - Atualizada em 07/01/2024 às 20h47min

Vídeo: Momento em que supostamente casal carrega o corpo de jovem assassinada em MG

Polícia Civil de Minas Gerais (PCMG) esclareceu as circunstâncias da morte de uma mulher, de 24 anos, que estava desaparecida desde a noite do último dia 02 de janeitro

Polícia Civil de Minas Gerais (PCMG) esclareceu as circunstâncias da morte de uma mulher, de 24 anos, que estava desaparecida desde a noite do último dia 02 de janeitro. Os suspeitos do crime, um homem de 31 anos e sua companheira, de 30, foram presos e o corpo da vítima, localizado em uma mata no bairro Milho Branco, Zona Norte de Juiz de Fora.

Conforme apurado pela 1ª Delegacia de Polícia Civil e pela Delegacia Especializada de Investigação de Homicídios em Juiz de Fora, na noite do desaparecimento, a jovem teria solicitado um mototáxi e um carro de aplicativo para um endereço no bairro Previdenciários. Por conta da chuva, ela optou por cancelar o mototáxi e seguiu para o destino com o carro de aplicativo. Depois disso, a jovem não foi mais vista.



De acordo com o delegado Luciano Vidal, logo que a família da jovem compareceu à Delegacia de Plantão, na noite do dia 3, foram iniciados os levantamentos. Em análise de imagens das câmeras de segurança de um prédio, no bairro Previdenciários, policiais identificaram a vítima chegando ao apartamento do casal suspeito, por volta de meia-noite, onde inclusive foi feito o registro de entrada dela no livro de visitantes. Horas depois, câmeras de segurança registraram os suspeitos saindo do apartamento com um embrulho grande e entrando em um carro de aplicativo, que seguiu até o bairro Milho Branco.

Com base nessas informações, o casal foi conduzido à delegacia e, durante declarações, confessaram o crime. Eles contaram que, após fazerem uso de bebida alcoólica, se desentenderam e, nesse momento, o homem ficou nervoso e asfixiou a vítima até matá-la.

O delegado Samuel Neri conta que, depois de morta, a jovem foi colocada dentro de uma mala. “Como não fechou, o suspeito relatou ainda que foi necessário envolver a mala em um cobertor, para que parte do corpo não aparecesse”, acrescentou.


De acordo com os suspeitos, quando chegaram ao bairro Milho Branco, eles foram a um imóvel da família, onde buscaram fósforos e álcool. Em seguida, levaram a mala com o corpo da jovem até uma mata próxima e atearam fogo.

Após interrogatório os suspeitos apontaram o local onde deixaram o corpo da jovem, o qual foi localizado pela equipe da PCMG, semicarbonizado e com os seus pertences. “Segundo os suspeitos, a mala foi empurrada na ribanceira ainda pegando fogo”, contou Neri.

O caso segue em apuração, no entanto, o delegado Samuel Neri considera que o casal irá responder por homicídio, qualificado por motivo fútil, pela asfixia e pelo feminicídio. A prisão dos investigados foi convertida em preventiva conforme representação da PCMG ao Judiciário.
 

 
Notícias Relacionadas »
Fale com a #Redação
Fale com a #Redação
Encontrou algum erro? Quer fazer uma sugestão de matéria? Fale agora mesmo com a redação do Vale 24 Horas