06/04/2023 às 17h46min - Atualizada em 06/04/2023 às 17h46min

Cultura e Fé marcam a Paixão de Cristo em Coronel Fabriciano

A tradição foi iniciada em meados de 1946 pelo Padre Deolindo Coelho, quando a cidade ainda era distrito de Antônio Dias

Redação
Foto: Divulgação

A Paixão de Cristo em Coronel Fabriciano é marcada por dois dos grandes teatros ao ar livre do Leste de Minas: da Paróquia São Sebastião, na Praça da Estação, e da Paróquia São Francisco Xavier, no Santuário de Nossa Senhora da Piedade, no Bairro Córrego Alto. Os dois eventos são apoiados pela Prefeitura Municipal por meio da Diretoria de Cultura e do Conselho Municipal de Política Cultural.

A tradição foi iniciada em meados de 1946 pelo Padre Deolindo Coelho, quando a cidade ainda era distrito de Antônio Dias. Padre Deolindo trouxe a celebração de Mariana e adaptou os ritos, que se mantém até hoje. Vestes, indumentárias e objetos litúrgicos seguem os protocolos tradicionais. Até hoje a Paróquia procura manter o trabalho mais próximo possível do original.

Desde 2014, o Teatro da Paixão de Cristo e os cortejos da Semana Santa da Paróquia São Sebastião são reconhecidos como Patrimônio Cultural Imaterial de Coronel Fabriciano e referendados pelo Instituto de Patrimônio Histórico e Artístico de Minas Gerais (Iepha MG.) A Prefeitura Municipal patrocina o evento com recursos do Fundo Municipal de Patrimônio Cultural.

BELEZA E TRADIÇÃO NO CÓRREGO ALTO

No Santuário de Nossa Senhora da Piedade, da Paróquia São Francisco Xavier, um espetáculo com cerca de 60 atores, promete encantar o público na noite da Paixão de Cristo. Ao largo do santuário uma grande estrutura já está montada, com palcos, som e luz para a encenação dos últimos passos de Jesus até a crucificação.

As escadarias do santuário abrigam 3 estágios da apresentação onde o público pode assistir sem sair do lugar: A última ceia com os discípulos, a traição de Judas Iscariotes, o julgamento de Jesus. Figurinos cuidadosamente preparados retratam com fidelidade o vestuário da época e a imponência dos palácios para onde Jesus foi levado e interrogado com um realismo impressionante. O trabalho iniciado há 2 meses exigiu horas e horas de ensaios.


O teatro da Paixão de Cristo da Paróquia São Francisco Xavier é tradição há 35 anos. Patrícia Nogueira, diretora do teatro, conta que o projeto nasceu na década de 1990 quando o santuário ainda não existia. Religiosos partiam do bairro Santa Cruz para rezar a Via Sacra no alto da serra. Com o passar dos anos e a construção do santuário a tradição se manteve. Neste ano o trabalho foi iniciado em janeiro com a seleção dos atores. "Houve a seleção dos papéis com as audições dos candidatos, que são jovens da paróquia, com a ajuda do Professor de teatro e filosofia, professor Gilson. Os ensaios foram exaustivos, mas todos estão empolgados e vamos fazer um grande teatro, como no ano passado", disse
 
O CALVÁRIO

As peças iniciais do teatro acontecem nas escadarias na frente do Santuário, mas o grande momento de emoção é reservado para a parte de trás. A caminhada de Jesus com a cruz nos ombros, o encontro com Simão Cirineu e o enxugamento do rosto de Cristo por Verônica seguem um trajeto especialmente elaborado até o calvário construído no alto de um barranco. As três cruzes ficam na parte alta facilitando a visão do público.


 

Após a crucificação, o teatro segue até a gruta do santuário para a encenação da ressurreição na parte final do espetáculo. "Será um momento muito especial. A topografia do lugar, a gruta e a mata que cerca todo o santuário deixa o local em plena sintonia com os acontecimentos da paixão e morte de Jesus. Quem comparecer certamente vai experimentar sentimentos únicos, vivenciar toda a dor e sofrimento de Cristo por meio da encenação. Esperamos todos lá", convida Padre Marcelo.


SERVIÇO:

Teatro da Paixão de Cristo da Paróquia São Sebastião

Local: Praça da Estação

Horário: 18h
 
Teatro da Paixão de Cristo da Paróquia São Francisco Xavier

Local: Santuário de Nossa Senhora da Piedade (Bairro Córrego Alto)

Horário: 18h30


Tags »
Notícias Relacionadas »
Fale com a #Redação
Fale com a #Redação
Encontrou algum erro? Quer fazer uma sugestão de matéria? Fale agora mesmo com a redação do Vale 24 Horas