13/09/2022 às 14h12min - Atualizada em 13/09/2022 às 14h12min

Angiologista da AAPI alerta para o diagnóstico precoce e o tratamento das doenças trombóticas

Fatores como idade, obesidade, hipertensão e coagulação sanguínea anormal podem desenvolver a doença

Redação - Ipatinga/MG
Foto: Divulgação/AAPI

O médico que atende na Associação dos Aposentados e Pensionistas de Ipatinga (AAPI), angiologista, Tiago Augusto Andrade, adverte para o diagnóstico precoce e o tratamento das doenças trombóticas. O profissional de saúde disse que para salvar vidas é importante detectar e tratar essas doenças o quanto antes.

Tiago Augusto disse ainda que existem vários fatores de risco que podem aumentar as chances de uma pessoa desenvolver uma doença trombótica, como idade, obesidade, hipertensão e coagulação sanguínea anormal. "Quanto mais cedo essas doenças forem detectadas e tratadas, melhor será o prognóstico", alertou.

Os coágulos sanguíneos são o problema de saúde mais comum causado por doenças trombóticas. Eles ocorrem quando o sangue coagula - ou engrossa - como resultado de lesão, doença ou estresse excessivo no vaso sanguíneo. O sangue coagula quando as proteínas no sangue se tornam instáveis e se decompõem. A hemoglobina livre no sangue faz com que o sangue se torne ainda mais instável. Muitos fatores podem fazer com que o sangue se torne mais instável, incluindo idade avançada, doença e hereditariedade. A coagulação pode acontecer muito rapidamente, levando a condições médicas graves, como ataque cardíaco, derrame e embolia pulmonar.

Segundo o médico, as doenças trombóticas são tratadas com anticoagulantes, que impedem a coagulação do sangue. Esses medicamentos geralmente são administrados por meio de um gotejamento intravenoso como parte de um tratamento hospitalar. Mais informações sobre esse assunto podem ser conferidas na entrevista do médico na TV AAPI (canal do youtube), feita em função do "Dia Nacional de Combate e Prevenção à Trombose", 16 de setembro.


Tags »
Notícias Relacionadas »
Fale com a #Redação
Fale com a #Redação
Encontrou algum erro? Quer fazer uma sugestão de matéria? Fale agora mesmo com a redação do Vale 24 Horas