Publicidade

Justiça acata pedido do prefeito de Fabriciano e anula eleição de Kalil como presidente da FMP

De acordo com a administração de Coronel Fabriciano, a decisão foi publicada nesta sexta-feira (22), após o magistrado analisar a ação 5126890-52.2021.8.13.002 movida pelo prefeito de Coronel Fabriciano, Dr. Marcos Vinicius, que pedia a nulidade do pleito

PUBLICIDADEspot_imgspot_img

O juiz da 33ª Vara Cível de Belo Horizonte, Henrique Schvartzman, suspendeu a eleição realizada pela Frente Mineira de Prefeitos (FMP), na qual o prefeito de Belo Horizonte, Alexandre Kalil, foi escolhido presidente e o de Teófilo Otoni, Daniel Sucupira, vice-presidente e outros membros da diretoria. No entendimento do magistrado, o pleito, ocorrido no dia 12 de agosto, descumpriu as normas estatutárias da própria associação e o princípio da publicidade.

De acordo com a administração de Coronel Fabriciano, a decisão foi publicada nesta sexta-feira (22), após o magistrado analisar a ação 5126890-52.2021.8.13.002 movida pelo prefeito de Coronel Fabriciano, Dr. Marcos Vinicius, que pedia a nulidade do pleito. Nela, o Schvartzman determinou a convocação de “novas eleições no prazo máximo de 30 dias, observadas as regras do Estatuto da Associação”. O novo pleito deve ser convocado pelo presidente anterior da FMP, Alexis de Freitas, ex-prefeito de Contagem.

“O processo foi antidemocrático. Não observaram o estatuto, convocaram as eleições às pressas, sem avisar os demais prefeitos. Kalil se “autodeclarou” presidente da Frente de Prefeitos, o que é um absurdo e deixa claro o seu objetivo de usar uma instituição séria como FMP, para fins eleitoreiros e de promoção pessoal”, contextualizou Dr. Marcos Vinicius à imprensa após a publicação da decisão.

O prefeito de Coronel Fabriciano, que é membro da diretoria anterior da FPM, assim como vários gestores municipais, foi impedido de acessar a reunião realizada pela plataforma do Google Meet. Além de não serem informados pelos canais oficiais, os membros da Frente não puderam participar da votação on-line.

“Não sou candidato à presidência da Frente, não vou compor chapa. Agi como cidadão, prefeito municipalista, que defende a democracia, inclusive, associativa. Até poderia votar no Kalil, se ele defendesse os interesses e bandeiras da Frente. Mas espero que ele não tenha essa cara de pau”, explicou o prefeito de Coronel Fabriciano, que também é o atual vice-presidente da Associação Mineira de Municípios (AMM).

De acordo com a Prefeitura de Coronel Fabriciano, a decisão de acionar a Justiça questionando as eleições é endossada por diversos prefeitos que integram a Frente Mineira; dentre eles, Delegado Crhistiano Xavier, de Santa Luzia; William Pereira Duarte, de Ibirité; Diogo Ribeiro, de Nova Lima; e Lucas Coelho Ferreira, de Caeté. Todos eles também afirmaram que não foram comunicados oficialmente sobre a eleição da nova diretoria da FPM e, aqueles que conseguiram o link de acesso por terceiros, foram impedidos de participar da reunião on-line.

- Ad -spot_imgspot_img

Notícias relacionadas

PUBLICIDADEspot_img
PUBLICIDADEspot_imgspot_img
PUBLICIDADEspot_img
PUBLICIDADEspot_img